• Rural tourism in the heart of Funchal - Madeira island
  • Quinta das Malvas is one of the finest properties in Funchal
  • Mais Informações

    Villa Quinta de Santa Luzia

    Casa Disponível para arrendamento e para grupos

  • Mais Informações

    Quinta das Malvas

    Requintado bed and breakfast. A verdadeira alternativa aos hotéis convencionais

O meu nome é Miguel João Ramos, do Funchal, e nascido em 1975. Desde pequeno que sentia o potencial do trabalho manual, das cores e das ferramentas. Fui muito influenciado pelo meu avô que era um artesão de muitos ofícios. No princípio de 2000, decidi sair da Madeira e fui para o Alentejo. Foi uma decisão importante que levou ao um expandir dos meus conhecimentos sobre a cerâmica.

Enquanto estive no centro de artesanato em Reguengos de Monsarraz, tive a oportunidade de contactar de uma forma mais próxima com outros ceramistas e assim chegar a outro nível na cerâmica. Consequentemente, ao me nutrir e ser nutrido por esta arte, sentia que tudo era uma inspiração; as gentes do Alentejo, o lugar, tudo estava interligado. Em 2008-2010, inspirado no meu desejo de aprender mais, fui para as Caldas da Rainha onde fiz um curso técnico para profissionais de cerâmica. Esta foi uma decisão fulcral pois foi ali que percebi que o meu futuro estava na cerâmica. Trabalhei em vários projetos escultóricos (arte na paisagem) com o coletivo 114 e viajei de norte a sul, passando também por Espanha. Apercebi-me que o que faltava era alguma experiência profissional num atelier de cerâmica para complementar as competências já adquiridas. Isso aconteceu em 2011 e foi fundamental para o meu percurso como ceramista.

Eventualmente regressei à Madeira em 2014 e as coisas estavam bem diferentes de quando eu tinha saído daqui. Eu quero ficar na ilha. É um lugar inspirador, rodeado pela imensidão do oceano e as montanhas aqui ao pé.

No início de 2015 abracei a oportunidade de estabelecer uma oficina na Quinta de Santa Luzia, um lugar que alia a agricultura ao turismo rural. O meu trabalho baseia-se em peças que ou têm uma função utilitária ou são mais decorativas, como os azulejos e a escultura. De momento estou a criar casas para pássaros e estou a usar um barro local para fazer ânforas, que serão usadas para regar as culturas. Ao mesmo tempo estou a explorar diferentes formas e texturas enquanto desenvolvo instrumentos de sopro (ocarinas) e percussão (udus).

Barro Cru é um espaço para todos os que estejam interessados em cerâmica, tanto na criação (na roda de oleiro), como na pintura e azulejaria.